terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Rico salão francês na vida de um americano pós-moderno

Porque tanto no luxo na sua casa da garota hippie que morava na em acampamentos improvisados em algum lugar diferente a cada semana. Para que talheres que não usa e vivem na poeira até que os limpem pela manhã. Alguma conseguiu se livrar como dos velhos amigos bajuladores que ficavam lhe cobrando tantas responsabilidades.
Os amores feitos de formalidades, de sonhos azuis. E amores distantes em puro vermelho não resistindo ao calor, a pressão. Viver cada dia sentindo o vazio de não estar satisfeito com algo por dentro, desenhamos um sorriso da mais pura leviandade, mais maléfico, odiando ter que dar satisfação a algum. Uma vida tão nítida e desnecessária forma no seu raciocínio. A vida moderna do Charles Chaplin, o noir.
Um pouco de loucura ilumina tudo por muito pouco tempo. E fica quadrado de novo e voltamos a sentir o mal estar do desejo. Para que tantos cachorros de porcelana senhora Truman, eles não preenchem o seu vazio que você devia nem sentir. Vamos toques mais algumas notas que ninguém está ouvindo, só bebendo. Tragédia, andando pela rua, fumando um cigarro e continuando o caminho até o pub tomar uma cerveja.
Meu amor está comigo escondido entre as construções, e só esses momentos podemos compartilhar, temos que fugir, temos que sofrer. Quero acreditar, quero coisas kitschs, mesmo que eu as quebre. Senhora bote fogo nesses móveis desnecessários por favor. More num quarto pintado de branco e sente no chão. As meninas também tocam bateria, os garotos ficam deitados na grama olhando para as nuvens.
Convidaram uma banda com trompetistas, garotas tocando pratos, garotos tocando bumbos, artistas de circo, elefantes, pirofagistas, tudo isso para me acordar, tudo isso para chamar sua atenção. Mas não conseguiram. Mas com sua voz eu acordei, mas com meus passos você me percebeu. Agora os artistas vão embora cansados e conversando qualquercoisa. Chego em casa e bebo um copoleite.
E mundo continua como antes, se você ver assim. E sigo desejando essas coisas difíceis.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Esses amores em vermelho... ao fim restou apenas o vazio qe pouco a pouco venho buscando preencher com algo que ainda não encontrei... Mais logo irei descobrir. A sensação de ler esse seu texto foi diferente Alex, me de uma viajada muito boa. Esse foi um dos que mais gostei, hehe ~^.

    ResponderExcluir